sexta-feira, 29 de novembro de 2013

LEIA E PENSE NISSO...

Relato de um e-mail recebido no programa Direção Espiritual do dia 13/11/2013 (última quarta-feira).

[Carta da Valdirene]

Fazem 4 meses que a minha filha faleceu, ela tinha 11 anos e se chamava Vitória. Sei padre que fui escolhida a dedo. Porque Deus me enviou uma preciosa anjinha. Com 4 meses de gravidez os médicos descobriram que ela tinha anomalias no crânio, gravíssimas, no parecer dos médicos eram incompatíveis com a vida.
Disseram que ela ia morrer tão logo viesse ao mundo, porém minha filhinha sobreviveu milagrosamente por 11 anos. Uma luta diária, várias internações, cirurgias. Nunca ouviram de mim, 'EU DESISTO', mesmo sendo um grande desafio, foi uma alegria imensa tê-la conosco.
Ela me ensinou a amar, a encontrar alegrias nas pequenas coisas, aceitar o diferente sem tentar mudar e aceitar como ela era com suas limitações. Ela nunca foi um peso para mim e sim um aprendizado. Aprendi a me tornar um ser humano melhor. Aprendi como ser mãe e uma mulher de verdade.
Ela sempre foi a minha vitória e eu sempre soube que ela era digna de ser amada. Pude amá-la incondicionalmente por 4.352 dias e ainda dói muito saber que não a tenho mais aqui comigo. Estou ainda vivendo um processo em que às vezes me revolto, pensando porque Deus me deu um anjo tão especial e me tirou depois.
Só te peço padre que põe a minha vida em suas orações, pois estou precisando muito.

[Resposta do padre Fábio]

Para a medicina foi um milagre. Por ela ter vivido tanto tempo. Mas eu fico pensando na grandeza de alma da Valdirene que não conhecemos o rosto, só o relato. Que a maternidade para muitas mulheres poderia ser desastrosa, quem sabe para muitas pessoas interpretar o sofrimento dela como um prejuízo, tantos anos essa mãe deixou de viver pra viver em torno de uma criança que não teria futuro. Os mais práticos diriam e às vezes a visão prática é a maneira de sermos cruéis e justificados pelo bom-senso, não é assim que às vezes nós somos cruéis com o outro?
Quando amparados no nosso bom-senso nós nos sentimos no direito de ter uma visão prática. Seria melhor se tivesse nascido morta - alguns poderiam dizer - ao ver o sofrimento e a labuta diária da Valdirene com essa criança...
A oportunidade de ter a Vitória em sua vida, de olhar a Vitória como uma vitória. Como um diamante a ser cuidado diariamente, como um diamante que provocou brilho em você também. E hoje essa dor que você sente de não ter a Vitória, é a prova de que ela nunca foi encarada como um fardo. E agora o fruto dessa ressurreição se estenderá ao longo dos seus dias.
Parabéns por ter hospedado por 4.352 dias, esses dias que estão contabilizados de maneira definitiva na eternidade, você soube bravamente compreender o mistério dos imperfeitos. Eu acho que você esteve muito próxima de sentir o mesmo que Jesus sentiu.
Às vezes a gente passa tanto tempo rezando, fazendo sacrifício, jejuando, vamos à missa pra poder um dia ter o direito de dizer que nós temos um coração que sente pelo menos um pouquinho do que Jesus sentiu. Todo empenho do processo religioso em nós, pra nos dar condição de dizer isso. Hoje eu consigo sentir nem que seja só 10% do Jesus sentiu, que era a capacidade que Ele tinha de se identificar com os imperfeitos, de amá-los, de não rejeitá-los, de querê-los por perto, de curá-los, de fazê-los amigos...
Eu acredito 'Valdirene' que sem ter dobrado os joelhos no chão, você pôde viver intensamente, carregando no colo, num outro gesto de oração, você pôde se aproximar muito, muito! Dos sentimentos de Jesus! E você pode ter certeza que a capacidade que você teve de amar essa filha, essa criança lhe faz ser uma pessoa muito especial aos olhos de Deus. E porque é especial aos olhos de Deus, torna-se hoje para nós um motivo, um exemplo, para que a gente faça o mesmo.
Porque às vezes 'Valdirene' as pedrinhas que são jogadas na nossa vida são tão miseráveis, que a gente fica até envergonhados diante de você! Às vezes as pedras que chegam no nosso coração são tão pequenas e nós as enxergamos tão grandes que a gente tem vontade de pedir perdão à você. Como cristão e nesse pedido de perdão também um agradecimento por você ter nos contado a sua história, mas antes disso, você por ter vivido no silêncio da sua casa, durante tantos anos... esse gesto tão cristão de fazer valer todos os sofrimentos e de encontrar neles um motivo para celebrar a vitória.
Muito obrigado pela sua partilha e tenho certeza que sua história vai modificar muitos corações que hoje nos assistem.

[transcrição: Shirley Pezzatto]
Image and video hosting by TinyPic

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu recadinho me deixa muito feliz....
Obrigadooooooooooooo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...